Publicado em Deixe um comentário

Dicas para começar uma Casa Inteligente!

Iniciar uma Casa Inteligente nos dias de hoje é uma tarefa fácil! Isto porque não faltam soluções rápidas para começar, seja uma lâmpada inteligente Wi-Fi, seja um interruptor inteligente, uns sensores sem fios, etc…

Mas por vezes tudo o que parece demasiado fácil pode não ter o final esperado, e quando o comum dos mortais se apercebe tem uma panóplia gigantesca de dispositivos Wi-Fi em casa, que não comunicam entre eles, e que usam apps diferentes, obrigando o utilizador a saltar de aplicação em aplicação. Muitos notam que o sinal de Wi-Fi se foi degradando…

Mas o que fazer para evitar todas estas situações?

1. Planeamento

Definir de forma básica o que gostariamos de automatizar na nossa casa. O que pode melhorar o dia-a-dia na nossa casa e na nossa família, trazendo mais qualidade de vida?! Uma casa inteligente pode trazer comodidades únicas e desde que bem configuradas deixamos de pensar nessas tarefas que fazíamos todos os dias!

Definir uma lista de prioridade. O que pretendo fazer primeiro? Automatizar estores? Cortinados? As luzes de casa? A video-vigilancia? O portão da garagem?

Definir um Orçamento por rúbrica. É importante definir um orçamento médio para que o plano não se torne num pesadelo. E para que de projeto em projeto se tenha noção dos custos.

Quem vai implementar? Tipicamente gostamos muito do faça você mesmo (DIY), no canal do Youtube ensino como implementar e como digo: “Se eu consigo tu também consegues! Pois eu não percebo nada de eletricidade!” Contudo em caso de insegurança ou dúvidas recomendo a falar com um profissional ou com um amigo ou familiar com as skills para instalar dispositivos.

2. Definir a Tecnologia a implementar

Este é o ponto mais importante de todos! Para começar, interessa começar bem! E isso é essencial para um projeto de sucesso!

Depois de ter passado por diversas casas, ter tornado inteligentes todas elas e aprendido com os meus próprios passos, concluí que o caminho certo é o Zigbee. Conforme indiquei na introdução, tipicamente colocamos tudo Wi-Fi porque é o caminho mais simples e o que que existe mais em oferta, mas à medida que adicionamos mais um interruptor, lâmpada ou sensor a nossa ligação Wi-Fi do nosso router doméstico vai-se repartindo com as dezenas de coisas instaladas, degradando o sinal e a qualidade de acesso à internet.

Por isso recomendo a separar, sempre que possível a nossa automação usando um Gateway Zigbee. Mas o que é um Gateway Zigbee? Nada de muito complicado! É um dispositivo que ligas na tua rede Wi-Fi que vai permitir ligar a ele todos os módulos, interruptores, sensores e muita coisa que possas imaginar, ora isso cria uma rede própria para a casa inteligente, permitindo que tudo comunique com o Gateway Zigbee este comunique com a tua rede Wi-Fi sem saturar a mesma!

Um gateway Zigbee suporta tipicamente até 40 dispositivos ligados, e a grande vantagem é que funcionam em Mesh, ou seja, vão repetindo o sinal entre eles permitindo levar a casa inteligente a lugares mesmo onde não há cobertura Wi-Fi. Se vamos deixar de usar o Wi-Fi, não vamos, mas onde puderes usar Zigbee recomendo que o faças!

3. Escolher o Ecossistema

O Ecossistema é basicamente a(s) marca(s) e a app que pretendes usar! Dependendo do projeto que definiste acima o ecossistema deve responder como um todo, não faz sentido usar mais que uma ou duas apps para gerir automações.

Após ter passado por vários ecossistemas, a base aqui na minha casa digital é Tuya. E porquê Tuya? No meu caso, foi a que respondeu a todos desafios e que possui a oferta mais completa, a bons preços, que permite a integração de várias marcas no mesmo ecossistema. Encontra-se no mercado nacional, bem como aqui na loja online da AMCD, e também importando de lugares como o Aliexpress, Banggood, etc…

3. Escolher uma Assistente Virtual

Uma assistente virtual, vai ajudar-te a naquelas tarefas não programadas, e que com uma ordem por voz, vai executar uma série de acções. Uma assistente virtual não tem de ser especificamente um dispositivo, seja ele um Echo Dot ou um Google Nest mini espalhado pela casa. Recomendo que antes de se tomar a decisão se instale a app de cada um: Alexa e Google Home, configurar os dispositivos em ambas e testar, pois ambas respondem como um dispositivo de espalhar pela casa! A minha opção foi pela Alexa, pois é claramente a mais madura e com rotinas mais evoluídas, mas isso não invalida que não use as outras assistentes, incluíndo a Siri! Claramente deixo este ponto para o gosto de cada um!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *